Login  Recuperar
Password
  7 de Dezembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Alcobaça volta a ser a Capital da Doçaria conventual

Alcobaça receberá mais uma edição da Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais já a partir desta quinta-feira, dia 14. Até domingo, os visitantes irão encontrar no Mosteiro o melhor do receituário conventual de Alcobaça e de outros mosteiros, conventos e pastelarias, nacionais e internacionais.

12-11-2019 | Paulo Alexandre

Para esta edição mudará a forma de entrada no Mosteiro, que se fará pela Igreja do Mosteiro.
A mostra contará com uma tenda que albergará os expositores de licores situada na Praça D. Afonso Henriques - a “Botica dos Monges”.
A doçaria conventual portuguesa tem origem nos seus conventos e mosteiros. Pelas mãos dos frades e freiras, monges e monjas, criaram-se doces verdadeiramente divinais.
Foi a partir de 1834, com a extinção das ordens religiosas, que as receitas saíram dos conventos e passaram de mão em mão, de geração em geração, para que, hoje, para nossa “devoção”, as deliciosas receitas de doces conventuais permaneçam bem vivas na nossa mesa.
Os doces conventuais sempre estiveram presentes nas refeições, por vezes parcas, por vezes faustosas, que eram servidas nos conventos e nos mosteiros. Os muito apreciados licores, destilados a partir de bagas e de várias plantas, eram usados para fins medicinais.
Os ingredientes principais desta doçaria requintada, feita de amor, labor, dedicação e muita paciência, são as gemas, o açúcar e as amêndoas.
Foi a partir do século XVI, com a expansão do comércio do açúcar, que os doces atingiram maior notoriedade. O açúcar possibilitava obter vários pontos de calda e as mãos sábias dos que o trabalhavam pacientemente, durante largas horas de experiências, perceberam que os pontos de calda também permitiam a conservação dos doces.
Os nomes dos doces conventuais derivam da cultura católica e da vida monástica: são as “barrigas de freira”, os “papos de anjo”, o “toucinho-do-céu”, nomes celestiais que tão bem conhecemos.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar

      Foz do Arelho - Aluger Apartamento T1, completamente equipado, perto da paia.
      Casa de Férias - Nazaré Casa T2, a 50m da praia, para férias no mês de Agosto.
      Albifeira - TimeShare Apartamento com vista para o mar em regime de timeshare.
      CLASSIFICADOS XTUDO.PT
      Turismo de Coruche

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]