Login  Recuperar
Password
  23 de Janeiro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Economia
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Maçã de Alcobaça com quebra de 30% devido às altas temperaturas

A maçã de Alcobaça registou este ano uma quebra de 30% na produção, devido às elevadas temperaturas que reduziram a colheita a 40 milhões de toneladas do fruto com Indicação Geográfica Protegida (IGP).

29-11-2018 | Paulo Alexandre

Dos 50 milhões de quilos que os produtores de maçã de Alcobaça estimavam colher este ano, apenas foram produzidos “40 milhões de quilos, na maioria com calibres mais pequenos do que os habituais”, disse à agência Lusa Jorge Soares, presidente da Associação do Produtores de Maçã de Alcobaça (APMA).
A “quebra de 30%” na produção da maçã deveu-se “às elevadas temperaturas registadas no Verão, que impediram a maçã de crescer”, explicou o mesmo responsável.
Acima dos 35 graus, “a maçã não cresce tanto e, se atingir os 38 graus, para por completo”, adiantou Jorge Soares, sublinhando que essas temperaturas penalizaram, sobretudo, “as qualidades [de maçã] Fuji, com quebras superiores a 40%, e Royal Gala, com quebras a rondar os 37%”.
Ainda assim, “apenas o calibre da fruta foi afetado”, mantendo-se “o sabor e a dureza” característicos da maçã qualificada como IGP - Indicação Geográfica Protegida desde 1994.
Apesar da quebra, a APMA estima que a comercialização da maçã de Alcobaça movimente “entre 35 a 40 milhões de euros”, dos quais a maior tranche deverá corresponder ao mercado nacional, devendo a exportação “descer dos 27% [na anterior campanha] para entre 10 a 15%”.
Inglaterra, Brasil, Irlanda, Emirados Árabes Unidos, Cabo Verde e Angola vão manter-se como os principais países para onde a maçã de Alcobaça será exportada.
A maçã de Alcobaça é produzida num sistema de produção integrada, com controle da qualidade e do equilíbrio do meio ambiente.
Inicialmente foi reconhecida uma área geográfica abrangendo os concelhos de Alcobaça, Nazaré, Óbidos, Caldas das Rainha e Porto de Mós. Posteriormente, a área foi alargada a Batalha, Bombarral, Cadaval, Leiria, Lourinhã, Marinha Grande, Peniche, Rio Maior e Torres Vedras.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar

      Foz do Arelho - Aluger Apartamento T1, completamente equipado, perto da paia.
      Casa de Férias - Nazaré Casa T2, a 50m da praia, para férias no mês de Agosto.
      Albifeira - TimeShare Apartamento com vista para o mar em regime de timeshare.
      CLASSIFICADOS XTUDO.PT
      Turismo de Coruche

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]