Login  Recuperar
Password
  26 de Setembro de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Nazaré
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

SPAL admite problemas financeiros mas assegura continuidade de 260 trabalhadores

A SPAL admite que o momento financeiro que atravessa não é bom, mas garante este momento não difere do que se regista há duas décadas na fábrica.

27-08-2020 | JL

A empresa decidiu vir a público “repor a verdade dos factos e esclarecer que os problemas financeiros se arrastam há mais de 20 anos”, tendo a aquisição da marca, em 2010, por outro grupo económico, “evitado o seu enceramento nesse ano”.
“Foram preservados os postos de trabalho e a indústria produtora de porcelana”, refere a empresa em comunicado.
Ainda no mesmo documento, a empresa esclarece que nos últimos 10 anos, mesmo num ambiente de crise económica sem precedentes, “a empresa fez conquistas e vem lutando para melhorar os seus resultados”.
A epidemia veio alterar o panorama, encerrando os mercados para onde a empresa expandia os seus negócios.
“Lamentavelmente, a conjuntura alterou-se drasticamente obrigando a empresa a fazer face a uma queda abrupta de actividade. Neste sentido aparece o recurso ao Layoff, sendo este o único apoio de que a empresa beneficiou neste momento adverso, pese embora a SPAL seja detida em 35% pelo Estado, sob gestão da PME Investimentos”, clarifica.
A SPAL admite ter encetado negociações com alguns funcionários para a sua saída “de modo a conseguir preservar os cerca de 260 trabalhadores que continuarão na empresa”.
Estes esclarecimentos surgem na sequência de um comunicado conjunto das concelhias da CDU de Alcobaça e Nazaré, emitido no final de julho, sobre a situação de " 180 trabalhadores (num universo de 300)” que receberam a informação do prolongamento da suspensão do seu contrato de trabalho até final de agosto, “podendo esta suspensão ser prorrogada".
Segundo os comunistas, a empresa sustenta a opção com quebras nas vendas, resultados negativos acumulados, que só em 2019 foram superiores a dois milhões de euros, e dívidas à Segurança Social e à banca.
"Entende o PCP que os trabalhadores em nada contribuíram para este cenário, nem podem ser penalizados por responsabilidades que só podem ser acercadas à administração da empresa e às consequências do surto epidémico", é referido no comunicado.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar

      Foz do Arelho - Aluger Apartamento T1, completamente equipado, perto da paia.
      Casa de Férias - Nazaré Casa T2, a 50m da praia, para férias no mês de Agosto.
      Albifeira - TimeShare Apartamento com vista para o mar em regime de timeshare.
      CLASSIFICADOS XTUDO.PT
      Turismo de Coruche

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]

      [Titulo] [Titulo]

      [Inserir descrição]